.: TRADUZIR O BLOG PARA :.
.....
English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
.

Seguidores

9 de dez de 2012

Polícia ameaça de prisão cristãos que tentaram evangelizar em praça pública

 

A prefeitura da cidade de Duluth, em Minnesota, Estados Unidos, proibiu cristãos locais de compartilharem o Evangelho num parque público, durante um evento anual.

Uma ocorrência foi registrada contra os governantes locais, e o advogado da Aliança Defesa da Liberdade, afirmou que “o governo não pode banir a Primeira Emenda em um parque público somente porque os oficiais do evento não gostam da mensagem que uma pessoa está compartilhando”, disse Jonathan Scruggs, referindo-se ao artigo da Constituição Federal norte-americana que garante a liberdade de fé e culto.

De acordo com o site Portas Abertas, Scruggs atua no caso ao lado de outra advogada, Nate Kellum, do Centro de Expressão Religiosa.

A polêmica se iniciou quando uma entidade sem fins lucrativos organizou o evento “Tour das Luzes de Bentleyville”, com o propósito de arrecadar alimentos e brinquedo para famílias necessitadas, e conseguiu da prefeitura o direito de administrar o parque durante os dias da exposição.

O pastor Steve Jankowski e outros três amigos foram ao parque, durante a exposição, para entregar folhetos com conteúdo evangelístico, mas foram impedidos por um policial, que pediu que eles se retirassem e fizessem a panfletagem do lado de fora, pois caso contrário, poderiam ser presos por invasão.

No vídeo realizado por um dos amigos do pastor, o policial afirmou que o local era considerado “propriedade privada” por estar sob administração da organização do evento.

Entretanto, o advogado afirmou que como não há cobrança de entradas para o evento e ele está sendo realizado em um local público, a prefeitura não poderia proibir a evangelização no local.

Com o registro da ocorrência, Scruggs diz que a prefeitura de Duluth está desobedecendo ordens diretas da Justiça: “A Corte ordenou que o governo da cidade respeite a Primeira Emenda, mas ele não está fazendo isso. Estamos pedindo que a Corte reforce sua ordem neste sentido. O governo desconsiderou tanto a ordem da Corte quanto o que a ordem buscar proteger: a liberdade constitucionalmente protegida dos cidadãos de se engajarem em discursos que não causem desordem em lugares públicos”.

Por Tiago Chagas, para o Gospel+

Nenhum comentário:

Postar um comentário